Valter Alnis Bezerra

Modelos: do descrédito à popularidade

Referência BAILER-JONES, Daniela. “Tracing the development of models in the philosophy of science”. In: MAGNANI, L.; NERSESSIAN, N. J. & THAGARD, P. (eds.). Model-Based Reasoning in Scientific Discovery, pp. 23-40. New York: Kluwer / Plenum, 1999. Texto disponível no site da disciplina. Nesta aula, abordaremos as duas primeiras seções do texto (pp. 23–31), em que a autora trata, sob uma perspectiva histórica, de uma guinada de perspectiva na filosofia da ciência: quando os modelos deixaram de ser figuras marginais e passaram a ser um assunto relevante.

Modelos, teorias, dados e analogias

Referência textual GIERE, R. “Using models to represent reality”, in: MAGNANI, L.; NERSESSIAN, N. J. & THAGARD, P. (eds.). Model-Based Reasoning in Scientific Discovery, pp. 41-57. New York: Kluwer / Plenum, 1999. Texto disponível no site da disciplina. Para esta semana, lemos o restante do artigo (pp. 51–57), em que Giere elabora sua visão representacional dos modelos, introduzida na aula anterior. Modelos teóricos Neste artigo — ao contrário de trabalhos anteriores (Giere 1988) — Giere trata modelos teóricos como uma classe especial de modelos abstratos: aqueles construídos com base no que o autor chama de princípios teóricos, como as Leis de Newton ou o Princípio da Seleção Natural.

Usando modelos para representar a realidade

Referência textual GIERE, R. “Using models to represent reality”, in: MAGNANI, L.; NERSESSIAN, N. J. & THAGARD, P. (eds.). Model-Based Reasoning in Scientific Discovery, pp. 41-57. New York: Kluwer / Plenum, 1999. Texto disponível no site da disciplina. Para esta semana, lemos as sete primeiras seções do artigo (pp. 41–51), em que o autor descreve a visão de Suppes sobre modelos instanciais e os motivos que levam Giere a discordar da adequação desta visão, propondo em vez disso um papel representacional para modelos.

Formalização conjuntista de teorias

A leitura desta semana foi SUPPES, Patrick. Representation and invariance of scientiic structures. Stanford, CA: CSLI Publications, 2002, páginas 27 a 35. Estas páginas incluem a discussão de Suppes a respeito das limitações da formulação standard das teorias científicas, bem como um primeiro esboço de sua abordagem conjuntista. Texto do Suppes, como o livro que o abriga, é uma retomada de vários temas e termos presentes em sua obra. Trata-se de um texto ao mesmo tempo expositivo e programático.

Modelos e a formalização standard de teorias científicas

A leitura desta semana foi SUPPES, Patrick. Representation and invariance of scientiic structures. Stanford, CA: CSLI Publications, 2002, páginas 17 a 27. Estas páginas incluem a discussão de Suppes a respeito do significado de modelo em ciência (Seção 2.1) e os primeiros itens da Seção 2.2, em que é apresentada a dita formalização standard das teorias científicas, que as representa dentro de uma lógica de primeira-ordem (predicados). Texto do Suppes, como o livro que o abriga, é uma retomada de vários temas e termos presentes em sua obra.

Teoria do Conhecimento e Filosofia da Ciência III

Sobre o curso Página da disciplina. Neste semestre, o programa da disciplina girará em torno da noção de modelo, dos conceitos de modelo em filosofia da ciência. No ano passado, este programa foi implementado em Filosofia da Ciência IV, mas interrompido prematuramente pela greve. Primeira parte do programa tratará de uma acepção de modelo, e a segunda, de outra. Ao longo do curso, buscaremos esclarecer as relações entra ambos.